Petrobras vai aumentar preço do gás de cozinha e para a indústria

Aumento

A Petrobras irá reajustar o valor do GLP (gás liquefeito de petróleo), tanto industrial quanto residencial (gás de cozinha), a partir desta terça-feira (22). O Sindigás (sindicato das distribuidoras) informou que suas associadas foram comunicadas pela Petrobras sobre o aumento. No caso do GLP, os botijões de até 13 kg terão aumento de 4,8% a 5,3%. O GLP industrial (embalagens acima de 13 kg) deverá subir entre 2,9% e 3,2%, de acordo com a região. Ainda de acordo com o Sindigás, o preço do GLP empresarial e do GLP residencial estão praticamente iguais. O sindicato afirma que isso "é um bom sinal para o mercado". O governo do presidente Jair Bolsonaro acabou, em agosto, com a política de subsídio na venda do gás de cozinha que vinha sendo praticada pela Petrobras. O término se deu por meio de uma resolução do CNPE (Conselho Nacional de Política Energética), que se tornará permanente a partir de março de 2020. Com o fim da vantagem competitiva da estatal, o governo considera que concorrentes vão se mobilizar para importar o GLP, a exemplo do que fez a Copagas, que passou a importar diretamente da Bolívia para atender o Mato Grosso. Com a resolução, o governo pretende manobrar 37% da composição do preço, incluindo tributos e margens de lucro na cadeia de produção e distribuição. Isso deve levar a uma redução de preço para o consumidor, na avaliação do governo. Estimativas iniciais indicam que, com a entrada de novos competidores, o preço do gás de cozinha deve cair de R$ 23 na refinaria para cerca de R$ 16. A política de redução de preço para os botijões de 13 kg pela Petrobras vigorava desde 2005 e foi instituída no governo do ex-presidente Lula para ajudar as famílias de baixa renda. No entanto, o ministro considera que essa política distorceu preços sob o pretexto de ajudar a baixa renda que hoje paga cerca de R$ 90 por um botijão de gás. Dados do ministério mostram que cerca de 70% do gás de cozinha é vendido em botijões de 13 kg, volume muito acima do que seria consumido se somente a baixa renda utilizasse esse insumo. Para o governo, no passado, essa política se justificava porque a diferença entre o preço do gás produzido internamente e o importado era grande. Hoje, essa diferença seria de cerca de 5%.

Anuncio patrocinado

Patrocinado

::. Confiança : Um terço afirma ter grande confiança em Moro, diz Datafolha
::. Bolívia : Bolívia anuncia que vai pedir troca de diplomatas espanhóis
::. Confronto : Confrontos violentos entre manifestantes e polícia na capital do Chile
::. Terremoto : Sismo de magnitude 5 atinge sul do Irão, perto da central nuclear do país
::. Mundo : Homem devolve mochila com 16 mil euros no interior na Alemanha
::. Economia : Mais de 820 mil renegociaram R$ 4,5 bilhões em mutirão de bancos
::. Politica : Bolsonaro prioriza economia e segurança em lives semanais
::. Jogo : Mega- Sena sorteia hoje prêmio de R$ 2,5 milhões
::. Alta Carbe : Carnes podem continuar subindo até fevereiro, diz FGV
::. Meio Ambiente : Universidade identifica novo navio que pode ser responsável por óleo

© Copyright 2019 Folha de Itapetininga - Todos os direitos reservados - Criado DM